domingo, 31 de outubro de 2010

Propaganda Boca a Boca!!!

O homem bom do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração. Lucas 6:45


A mais antiga forma de propaganda que existe, e que continua sendo a mais eficaz, é a propaganda boca a boca, que é feita de graça, por clientes satisfeitos com o produto que adquiriram.


Os mais idosos provavelmente se lembram de um carro americano que circulou no Brasil cinquenta anos atrás, marca Packard. A fábrica do Packard foi a última indústria automobilística da época a fazer publicidade paga, e isto só foi possível depois que o velho Sr. Packard morreu. Sempre que era abordado para fazer publicidade para os seus carros, ele respondia: “Não precisa. Pergunte a quem tem um.” Após sua morte, a fábrica do Packard adotou esse slogan: “Pergunte a quem tem um.”


O evangelismo boca a boca é antigo, mas continua moderno e eficaz. O evangelho de Jesus Cristo se tornou conhecido e revolucionou o mundo antigo, através do testemunho boca a boca. Somente os pastores, por ocasião do nascimento de Jesus, ouviram as boas-novas através dos anjos. Somente os magos foram guiados por uma estrela. Apenas Paulo foi alcançado por uma luz do céu. Quase todos ficaram conhecendo Jesus através do testemunho pessoal.


Antes que o Novo Testamento tivesse sido escrito, a história de Jesus foi transmitida oralmente. Os apóstolos haviam sido testemunhas dos grandes feitos operados por Jesus, e onde quer que fossem, pregavam sobre Ele.


Quando descobre algo que lhe traz satisfação, você sente um desejo irresistível de contar a outros. Um restaurante onde a comida é boa, uma loja de qualidade, um bom hotel, um lugar onde passear. O mesmo acontece quando nosso coração se regozija com o amor, a alegria e a paz de Cristo. Queremos contar isso ao mundo, pois “a boca fala do que está cheio o coração”.


Podemos usar cartazes, anúncios no rádio, jornais e televisão, mas as pesquisas mostram que a maioria dos novos membros da igreja foram atraídos por alguém. O desafio que temos é tornar a igreja um lugar tão agradável e amoroso, que todos possam dizer aos amigos e parentes: “A minha igreja é maravilhosa! Os irmãos são amorosos e corteses. Os cultos são espirituais. A música traz enlevo e inspiração. Acho que você também vai gostar. “


Quando os membros da igreja estão dispostos a falar aos outros da bendita esperança que lhes enche o coração, o testemunho deles se torna irresistível.

sábado, 30 de outubro de 2010

Jesus Tinha de Ser Crucificado?

Desde esse tempo, começou Jesus Cristo a mostrar a Seus discípulos que Lhe era necessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto e ressuscitado no terceiro dia. Mateus 16:21


Martin Luther King, na noite que antecedeu seu assassinato em Mênfis, EUA, disse o seguinte: “Não sei o que vai acontecer agora. Teremos dias difíceis pela frente. Mas isso não me importa, pois já estive no topo do monte. Como qualquer pessoa, gostaria de ter vida longa. A longevidade tem o seu lugar. Mas não estou preocupado com isso agora. Quero apenas fazer a vontade de Deus. E Ele me permitiu subir ao monte. E de lá eu olhei, e vi a Terra Prometida. Pode ser que eu não chegue lá junto com vocês. Mas quero que saibam, nesta noite, que, como povo, estaremos na Terra Prometida. E hoje de noite estou feliz. Nada me preocupa. Não tenho medo do que me possa fazer o homem. Meus olhos viram a glória da vinda do Senhor.”


Algumas pessoas estão convencidas de que Martin Luther sabia que ia ser morto. Em virtude da agitação que ele criara e a revolta geral que estava ocorrendo, não seria preciso muita imaginação para prever que ele seria baleado.


A mesma questão tem sido debatida com respeito à morte de Cristo. Alguns pensam que Ele morreu como vítima dos eventos e pressões que se avolumaram contra Ele. Ou seja: vítima das circunstâncias. Mas quando João Batista disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29), ficou claro que Sua morte era certa desde o início. Numa cultura que sacrificava cordeiros duas vezes ao dia no Templo, essas palavras eram indicativas de morte. Em outras palavras, João Batista estava dizendo: “Ei, olhem para este Homem. Ele vai ser sacrificado!”


Jesus é o Cordeiro morto desde a fundação do mundo. E Sua morte deveria ser sangrenta, pois “sem derramamento de sangue, não há remissão” (Hb 9:22). Mas seria necessária uma morte cruel como a crucifixão? Um acidente sangrento não teria sido suficiente para operar nossa salvação?


O Prof. Raoul Dederen opina a esse respeito: “Um acidente sangrento, como o ter sido atropelado por uma carruagem romana, não teria executado o plano. Ele deveria morrer inocentemente nas mãos dos homens. E não simplesmente por uma pessoa, por um líder fanático. Deveria ser morto por um grupo de pessoas representando os vários níveis da sociedade, que juntos decidiram ver-se livres de Deus.”


Jesus veio ao mundo para morrer – por mim e por você.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Cortando o Mal Pela Raiz!

Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te convém que se perca um dos teus membros, e não seja todo o teu corpo lançado no inferno. Mateus 5:29


O nervo ótico é uma das avenidas através das quais o pecado penetra na mente humana. Cristo disse que o adultério, por exemplo, começa com um olhar impuro (Mt 5:28). Então a solução proposta seria arrancar o olho direito, que, no conceito popular antigo, enxergava melhor.


Mas, será que o problema ficaria resolvido? E o olho esquerdo não pode fazer alguém tropeçar? Obviamente, esse conselho de Cristo não deve ser interpretado literalmente, pois nesse caso teríamos um mundo de caolhos. No versículo seguinte Cristo dá o mesmo conselho caso a mão direita fizer você tropeçar: Corte-a fora! Assim, além de caolhos, você teria também uma multidão de manetas. E se você continuar cortando tudo o que o faz pecar, o que sobraria?


Orígenes, um dos maiores eruditos da igreja, no século III, combinou esses textos com a declaração de Cristo de que há alguns homens “que a si mesmos se fizeram eunucos, por causa do reino dos céus” (Mt 19:12), e se castrou. Isso mostra que a interpretação literal de um simbolismo pode afetar a a vida física.


“Cristo usa aqui uma figura de linguagem. Ele não requer a mutilação do corpo [que é o templo do Espírito Santo], mas o controle dos pensamentos. O recusar-se a contemplar o mal é tão eficaz como o fazer-se cego, e tem a vantagem adicional de reter a visão e utilizá-la para aquilo que é bom. Uma raposa às vezes rói a própria pata, presa numa armadilha, a fim de escapar. De igual modo um lagarto sacrifica sua cauda, ou uma lagosta suas tesouras.


“Cristo aconselha simbolicamente arrancar o olho ou amputar a mão para salientar que se deve tomar uma decisão resoluta para resguardar-se do mal. O cristão faria bem em seguir o exemplo de Jó, o qual disse: ‘Fiz aliança com meus olhos; como, pois, os fixaria eu numa donzela?’” (Jó 31:1) (SDA Bible Commentary, v. 5, p. 337).


Como podemos evitar maus pensamentos? Veja o conselho inspirado: “Os que não querem cair presa dos enganos de Satanás, devem guardar bem as vias de acesso à alma; devem-se esquivar de ler, ver ou ouvir tudo quanto sugira pensamentos impuros” (Atos dos Apóstolos, p. 518).

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Vida Após o Divórcio!


É Ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus. 2 Coríntios 1:4


O divórcio se tornou uma epidemia que não poupa ninguém, nem mesmo os pastores. O pastor André (pseudônimo), que durante 20 anos de trabalho ajudou as famílias de suas igrejas a desfrutarem bem-estar conjugal e familiar, e testemunhou a devastação causada pela separação, jamais imaginou que um dia seu lar também seria atingido.



Ele se achava imune a essa praga: “O divórcio pode destroçar outros lares, não o meu. Eu e minha esposa nos damos muito bem.” Mas ele aprendeu por experiência própria que nenhum casamento está completamente fora de perigo. Certo dia, a esposa lhe abalou a confiança, dizendo: “Quero me separar de você!”



Resultado: lágrimas, sofrimento e insônia. Ele conta: “No primeiro ano após o divórcio eu passava horas caminhando sozinho à noite, tentando acalmar as emoções que se agitavam dentro de mim. Às vezes eu caminhava até ficar exausto. Quando finalmente me acalmava, eu podia ouvir a voz suave de Deus, trazendo-me segurança e paz. Deus nunca me abandonou. Ele nunca me acusou dizendo: “Você estragou tudo, André. Foi falha sua!” Não, em vez disso ouvi a mensagem de Seu amor perdoador que tantos outros quebrantados servos de Deus ouviram antes de mim: “De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei” (Hb 13:5).



Quanto tempo leva a recuperação? De três a cinco anos, segundo muitos especialistas. E é importante, nesse período crucial, encontrar o apoio de amigos, bem como procurar aconselhamento, juntar-se a um grupo de apoio a divorciados, se possível, e fazer uso construtivo de sua experiência, ministrando a outras pessoas que também estão na mesma situação.



Diz o apóstolo Paulo: “É Ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus” (2Co 1:4). Ou seja: a melhor maneira de suportar o sofrimento é utilizá-lo como um instrumento para comunicar o amor de Deus aos outros.



Quando isto é feito, algo assombroso acontece: tanto o doador como o receptor experimentam alívio e cura. E o pastor André conclui seu testemunho, dizendo: “ Não tenho a menor ideia de como isto acontece. Mas sei que é uma realidade, porque aconteceu comigo.”

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

"O Espírito Santo, Esse Desconhecido"

Recebestes, porventura, o Espírito Santo quando crestes? Ao que lhe responderam: Pelo contrário, nem mesmo ouvimos que existe o Espírito Santo. Atos 19:2


Em sua terceira viagem missionária, Paulo passou por Éfeso, onde achou alguns cristãos que nunca tinham ouvido falar do Espírito Santo. Alguns comentaristas pensam que esses crentes eram discípulos de João Batista, que haviam se mudado para Éfeso.


Outros preferem acreditar que eram conversos de Apolo, que conheciam o Espírito Santo apenas como um nome, mas ignoravam totalmente a Sua natureza. Seja como for, “eles haviam sido batizados como prova de seu arrependimento, e sem dúvida estavam vivendo corretamente, mas não haviam experimentado a justiça, a paz, e a alegria no Espírito Santo (Rm 14:17), que lhes pertenciam” (SDA Bible Commentary, v. 6, p. 372).


Hoje, dificilmente encontramos algum cristão que não tenha ouvido falar do Espírito Santo, mas muitos têm ideias distorcidas, pensando ser Ele “uma força” ou “influência” e não uma Pessoa. Entretanto, as Escrituras Sagradas oferecem algumas evidências da personalidade do Espírito, como nos seguintes textos:


Atos 5:3: Ananias e Safira mentiram ao Espírito Santo. Só se pode mentir a um ser inteligente, que pode ser enganado e moralmente iludido. E o versículo seguinte deixa claro que o Espírito Santo é Deus.


Atos 13:2: “Disse o Espírito Santo: Separai-Me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado”. Não costumamos citar palavras de seres impessoais, porque estes não falam. Aqui é o Espírito Santo que chama, o que indica uma Pessoa detentora de personalidade.


Enumeramos, a seguir, vinte características e qualidades pessoais do Espírito Santo: tem mente e vontade (Rm 8:27); é tratado pelo pronome pessoal Ele (Jo 16:14, Ef 1:14); é citado entre outras pessoas: “Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós” (At 15:28); tem conhecimento (1Co 2:11); ensina (Lc 12:12, Jo 14:26); convence (Jo 16:8, Gn 6:3); impede (At 16:6, 7); concede, permite (At 2:4); administra, distribui (1Co 12:11); fala (At 10:19, 13:2, Jo 16:13); toma decisões (1Co 12:11); guia (Jo 16:13, Gl 5:18); anuncia (Jo 16:14, 15); pode ser entristecido (Ef 4:30); intercede (Rm 8:26); chama (Ap 22:17); procura (1Co 2:10); agrada-Se (At 15:28); pode ser tentado pelo homem (At 5:9); pode ser difamado e blasfemado (Mt 12:31, 32) (Radiografia do Jeovismo, p. 84, 85).


Uma “força” ou “influência” não pode ter tais características pessoais.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

"Bordão Sem Poder"

Geazi passou adiante deles e pôs o bordão sobre o rosto do menino; porém não houve nele voz nem sinal de vida. 2 Reis 4:31.


O filho da sunamita estava morto. Haveria esperança de trazê-lo de volta à vida? Eliseu fez então algo singular: deu a Geazi o seu bordão e mandou colocá-lo sobre o rosto do menino. Geazi apressou-se e procedeu conforme a instrução de Eliseu, mas não deu resultado. “Não houve nele voz nem sinal de vida.”


Este é, provavelmente, o único caso relatado na Bíblia em que um profeta tentou um milagre e este resultou em fracasso. Teria o bordão de Eliseu perdido sua virtude ao passar às mãos de um homem como Geazi? Ou Deus só operaria um milagre através do toque pessoal e da presença de Eliseu?


Há nas Escrituras alguns exemplos em que Deus achou por bem operar milagres através de coisas inanimados, como foi o caso de um homem que ressuscitou quando seu cadáver tocou os ossos de Eliseu (2Rs 13:21), quando saiu poder das vestes de Jesus ao ser tocado por uma mulher enferma (Mc 5:25-34) e, de modo ainda mais impressionante, ao “levarem aos enfermos lenços e aventais” do uso pessoal de Paulo, fazendo com que as enfermidades fossem curadas e os espírito malignos se retirassem (At 19:12). No entanto, tais exemplos são relativamente raros e se constituem exceções à regra.


O método do bordão, embora pareça às vezes necessário, em virtude da complexidade da vida moderna, é sempre inferior ao método pessoal. Podemos preencher um cheque e enviá-lo a uma família necessitada, mas tal atitude de ajuda teria maior significado se fôssemos lá pessoalmente.


Desde o início, a angustiada mulher sunamita não depôs fé alguma em tal método, pois declarou a Eliseu que não o deixaria por nada deste mundo. Então Eliseu a seguiu até Suném, e no caminho encontrou-se com Geazi, que voltava. Este comunicou ao profeta que o milagre, de fato, não havia ocorrido. O menino não havia despertado.


Então Eliseu subiu ao quarto e deitou-se sobre o menino. Este aqueceu-se, espirrou sete vezes, e foi devolvido com vida à mãe.
Todas as crianças serão devolvidas às mães no glorioso dia da volta de Cristo. “Os anjos ‘ajuntarão os Seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus’. Criancinhas são levadas pelos santos anjos aos braços de suas mães. Amigos há muito separados pela morte, reúnem-se, para nunca mais se separarem, e com cânticos de alegria ascendem juntamente para a cidade de Deus” (Orientação da Criança, p. 566).


Vivamos na expectativa desse maravilhoso reencontro!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Está Tudo Bem Com você?

Vendo-a de longe o homem de Deus, disse a Geazi, seu moço: Eis aí a sunamita; corre ao seu encontro e dize-lhe: Vai tudo bem contigo, com teu marido, com o menino? 2 Reis 4:25, 26.


No tempo determinado a promessa de Eliseu se cumpriu e nasceu um bebê naquele lar em Suném. Sua chegada tardia o tornou ainda mais precioso aos pais.


O menino cresceu, e um dia, ao acompanhar seu pai, que estava com os segadores, ele foi vítima de insolação. “Ai, minha cabeça!”, gritou ele. O pai o tomou nos braços e, chamando um servo, fez o que é melhor nessas ocasiões: mandou-o para a sua mãe.


A mãe ficou com ele no colo até o meio-dia, e então o garoto morreu. A mãe teve a sensação de que a vida havia lhe passado uma rasteira. A dor foi tanta que ela quase desejou nunca ter tido um filho. Então ela se lembrou de Eliseu.


Tomando o menino, levou-o ao quarto do profeta e o depôs sobre a cama dele. Em seguida, como esposa submissa, comunicou ao marido o seu plano de viajar para encontrar-se com o profeta e voltar ainda no mesmo dia. Mas não lhe explicou o motivo da viagem.


Talvez ela receasse que, se dissesse ao marido que sua intenção era chamar o profeta a fim de que este ressuscitasse o menino, o marido não concordasse com a viagem, julgando-a inútil. Era uma questão de fé, e ela quis manter o segredo apenas entre ela e Deus.

Preparou a jumenta e saiu a fim de encontrar-se com Eliseu, que estava no monte Carmelo. De longe, ele a viu e a reconheceu. E disse a Geazi: “Aquela é sem dúvida a mulher sunamita. Será que ela está com algum problema? Corra ao seu encontro e pergunte-lhe se está tudo bem com ela, com o marido e com o menino.”


Quando Geazi a saudou e lhe fez tais perguntas, ela deu uma resposta curta: “Tudo bem.” Não estava nada bem, mas a aflição do seu coração ela só revelaria ao profeta. Ao chegar junto ao homem de Deus, ela apeou da jumenta, abaixou-se e abraçou-lhe os pés. Em poucas palavras a angustiada mulher contou a Eliseu o que havia acontecido. Fora através da intervenção dele, o profeta de Deus, que ela havia tido um filho. E agora, que o menino estava morto, não poderia ele trazê-lo de volta à vida?


Leia amanhã o desfecho desta história.

domingo, 24 de outubro de 2010

Presente Para Uma Mulher Rica

Que se há de fazer por ti? Haverá alguma coisa de que se fale a teu favor ao rei ou ao comandante do exército? 2 Reis 4:13.


Geazi era amigo e companheiro de um dos mais nobres e piedosos homens da Bíblia, “o homem de Deus”, como era chamado Eliseu.


A primeira referência que temos de Geazi se acha relacionada com Eliseu e a sunamita (2Rs 4:12). De todas as vezes que Eliseu passava por Suném, em suas missões de misericórdia ou juízo, ele parava na casa dessa mulher para comer pão. Ela e o marido sentiam que a presença desse profeta era uma bênção.


E um dia ela disse ao marido: “Vejo que este homem, que passa sempre por nós, é um santo homem de Deus. Vamos, pois, fazer uma ampliação em nossa casa e construir-lhe um pequeno quarto na parte de cima, onde ele possa passar a noite quando vier nos visitar.”


O marido prontamente concordou com a idéia, e o quartinho foi construído e mobiliado com uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro. Um homem piedoso não necessita de muito conforto neste mundo.


Um dia, quando Eliseu estava nesse quarto descansando, chamou Geazi e lhe disse: “Preciso fazer alguma coisa para demonstrar minha gratidão a este casal, por sua bondade para comigo. Geazi, chame a sunamita!”


Quando ela entrou no quarto, Eliseu lhe disse: “A senhora nos tem tratado com generosa hospitalidade. Gostaríamos de retribuir isto de alguma forma. Há alguma coisa que eu possa fazer pela senhora? Algum pedido ao rei ou ao comandante do exército?”


É como se alguém lhe dissesse: “Você não precisa de algum favor do presidente da República? Eu posso conseguir!”


Mas a mulher respondeu dizendo: “Habito no meio do meu povo. Tenho um lar confortável onde vivo com o meu marido. Não há nada que eu deseje do rei ou do comandante do exército.”


É difícil presentear quem tem de tudo. Eliseu ficou perplexo. Seria possível que essa mulher não precisasse de nada? Chamou Geazi e lhe disse: “Não sei o que fazer por ela!”


É nesse exato momento que Geazi demonstra ter mais perspicácia do que seu mestre. Ele sabia que havia uma coisa que essa mulher não possuía, e que, como toda mulher virtuosa, gostaria de ter mais do que qualquer outra coisa. E assim ele disse a Eliseu: “Ela não tem filhos, e seu marido já é velho.”


Eliseu agradeceu a Geazi por este conselho, e admirado por não ter pensado nisto antes, chamou novamente a sunamita ao seu quarto e anunciou-lhe: “Daqui a um ano, mais ou menos nesta época, terás um filho.”


A sunamita mal pôde acreditar que essa promessa se cumpriria.
(Continua.)

sábado, 23 de outubro de 2010

Presciência Divina Dispensa o Juízo?

O Senhor conhece os que Lhe pertencem. 2 Timóteo 2:19


Algumas pessoas têm tido dificuldade em harmonizar a presciência divina com a necessidade de um juízo investigativo, citando em seu favor o texto acima. Ora, dizem eles, se Deus sabe quem vai se salvar e quem vai se perder, para que juízo, Livro da Vida, Livro da Morte, Livro Memorial e tudo o mais? Não confiamos na justiça divina?


Alguns imaginam que o propósito de um juízo anterior ao advento é dar a Deus tempo para examinar os livros, a fim de decidir quem, dos que um dia se entregaram a Deus, irá ou não para o Céu. A verdade é que Ele poderia resolver essa questão numa fração de segundo. O real propósito do juízo investigativo não é simplesmente decidir quem, dos professos seguidores de Cristo, irá se salvar ou não. É revelar a justiça divina. Deus quer tratar a todos de modo tão transparente, e deseja apresentar as provas de maneira tão clara, que não paire dúvidas sobre Sua justiça.


Os que estiverem em Seu reino, mesmo que algum ente querido seu esteja ausente, não terão dúvidas quanto à justiça divina, mas entoarão as palavras do cântico de Moisés, e o cântico do Cordeiro, dizendo: “Grandes e admiráveis são as Tuas obras, Senhor Deus, Todo-poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei das nações!” (Ap 15:3).


Teremos muitas perguntas ao chegarmos ao Céu, já que serão muitas as surpresas. Mas nenhuma ficará sem resposta. Os livros contendo os atos de cada pessoa estarão abertos, para serem examinados. Não restará dúvida alguma.


Assim, Isaías ficará sabendo que o ímpio rei Manassés, quando cativo em Babilônia, se arrependeu de todo o mal que havia praticado, e após seu retorno a Jerusalém procurou desfazer seus maus atos, removendo a idolatria de seu reino. Esse profeta ficará sabendo que Manassés se arrependeu e mudou de vida!


Posso imaginar Isaías abraçando Manassés e lhe dizendo: “Que bom que você se converteu. Eu o perdoo por você ter-me assassinado!” E Manassés vai ficar muito emocionado com aquele encontro.


Estêvão terá atitude semelhante, ao saber que Saulo, o feroz perseguidor, se converteu no caminho de Damasco e se transformou em Paulo, o grande apóstolo aos gentios. Os dois também vão se abraçar e tudo será perdoado e esquecido.
O Juízo Investigativo começou há 166 anos. Mas ainda estamos no Ano Aceitável do Senhor, em tempo de graça. Tomemos agora a decisão ao lado de Cristo.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Sábado ou Domingo?

Lembra-te do dia do Sábado para o santificar, seis dias trabalharás e farás toda sua obra, mas o sétimo dia é o Sábado do Senhor teu Deus... Êxodo 20:8-11


Se me amais guardareis meus mandamentos”, esta é a palavra do Senhor. “Lembra-te do dia de Sábado para o santificar”, este é um de Seus mandamentos. Não estaríamos pecando ignorando o quarto mandamento? Nosso Pai ordenou a nós que lembrássemos do dia do Sábado, no entanto, nós o esquecemos, e fomos de encontro a Sua palavra.

          Enganam-se os homens quando supõem que Deus mudou o dia santo para o Domingo. Nós sabemos que a Bíblia é a palavra de Deus, no entanto não há um único versículo em toda a Escritura que Ele nos ordene santificar outro dia. A palavra domingo nem ao menos aparece na Bíblia, porque ela é posterior a formação do cânon do Novo Testamento, embora sempre tenha existido como primeiro dia da semana.
         Após a vinda de Cristo a Terra, algumas práticas, como a circuncisão e o sacrifício de cordeiro, foram mudadas. Elas eram simbólicas, e encontraram em seu objeto, Cristo, o seu cumprimento definitivo, perdendo o seu significado. Mas a santificação do Sábado não era apenas um costume, a santificação do Sábado é um mandamento.
         Após a entrada do pecado, através de Adão e Eva, foi instituído o sacrifício de cordeiros primogênitos. Eles representavam o Cristo que um dia viria para ser sacrificado, como um cordeiro, e, com o sangue de Seu sacrifício, purificar-nos-ia de nossos pecados. Jesus veio, e cumpriu-se a profecia, portanto, a partir daquele tempo, não mais houve necessidade dos sacrifícios de cordeiros.
         A circuncisão foi instituída com Abraão, e servia como sinal do concerto entre Deus e Abraão, e todo o filho homem de Abraão seria circuncidado, para que ele se reconhecesse como pertencente ao povo de Deus. Naquele tempo, apenas a nação de Abraão (que depois se tornou a nação de Israel, que era Jacó) seguia ao Senhor. E todas as outras nações jamais se curvariam perante Deus, conforme podemos observar nos primeiros livros da Bíblia. A circuncisão então representava a nação de Israel, que era o povo de Deus. A circuncisão não se faz mais necessária hoje (ver em Romanos 2:17-29), já que o povo de Deus está dividido entre todas as nações.
         Todos estes costumes foram introduzidos após o pecado. O Sábado era santo já antes do pecado (Gênesis 2:3). Adão e Eva guardavam o Sábado. Eles não precisavam sacrificar um cordeiro, porque não havia pecado algum a ser limpo pelo sangue de Cristo. Eles não precisavam da circuncisão, pois não havia um povo que seguia a Deus e outros que não seguiam. Mas eles guardavam o Sábado, pois havia um dia que o seu Deus santificara, um dia que servia para lembrar toda a semana da criação, tudo o que Deus tinha criado. Ainda enquanto o mundo era perfeito, o Sábado era Santo.
         Pergunto então, queria Deus para nós que não fizéssemos aquilo que era feito no tempo em que o mundo ainda era perfeito? Não é objetivo de Deus voltar a este mundo e levar-nos para uma Terra perfeita? Por que então ele nos mandaria fazer o contrário do que era feito nesta Terra? E se a Terra vai ser novamente igual ao Éden, não seria o Sábado o dia santo da nova Terra? Não devemos nos preparar para estar nessa Terra? Então, não deveríamos guardar o Sábado? Teria Deus entrado em contradição? Penso que não.
         Não se enganem pensando: “Os apóstolos guardaram o Domingo”. Antes examinem as escrituras, e percebam que nada foi dito a esse respeito.“Sede meus imitadores, assim como eu sou de Cristo” disse Paulo em 1oCoríntios 1:11. Jesus guardou o Sábado conforme diz o evangelho de Lucas:“E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de Sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler.” Jesus tinha comunhão com Deus durante o Sábado, em Sua igreja. Cada palavra de cada versículo da Bíblia tem uma mensagem para nós hoje. Não era o costume de Cristo entrar na sinagoga; era o costume de Cristo entrar no dia de Sábado na sinagoga.
Jesus guardava o Sábado. “Sede meus imitadores, assim, como eu sou de Cristo” disse Paulo. Não guardava Cristo o Sábado? Paulo estaria sendo imitador de Cristo sem guardar o Sábado? Estaremos sendo imitadores de Cristo sem guardar o Sábado? De forma alguma. “Porque o Filho do Homem é o SENHOR DO SÁBADO” Disse Jesus em Mateus 12:8. “Chegando oSÁBADO, passou Jesus a ensinar na sinagoga” Marcos 6:2Ele deixou um exemplo a ser seguido.
Há muitas evidências de que os apóstolos tinham o Sábado como dia santo. “Mas eles, atravessando de Perge para a Antioquia da Pisídia, indo num SÁBADO à sinagoga assentaram-se” Atos 13:14; “Ao saírem eles, rogaram-lhes que, no SÁBADO seguinte, lhes falassem estas mesmas palavras” Atos 13:42. “No SÁBADO, saímos da cidade para junto do rio, onde nos pareceu haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido” Atos 16:13. Todos os apóstolos guardavam e santificavam o sétimo dia da semana, o Sábado. “Paulo, como tinha por COSTUME, foi ter com eles; e por três SÁBADOS disputou com eles sobre as Escrituras” Atos 17:2. “E TODOS OS SÁBADOS disputava na sinagoga, e convencia a judeus e gregos” Atos 18:4. Eles tinham predileção pelo Sábado, mas certamente não teriam se achassem que o Sábado perdera seu valor como dia santo.
Nunca, jamais!  De forma alguma os apóstolos disseram que o dia santo não era o Sábado. Menos ainda Jesus; pelo contrário, Ele disse: “Não penseis que vim REVOGAR a lei ou os profetas; não vim revogar, vim para CUMPRIR. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei até que TUDO se cumpra” Mateus 5:17-18.
Eis quem instituiu o Domingo como dia santo: “A mais antiga documentação da observância do Domingo como imposição legal é o edito de Constantino, em 321 a.D., que decreta que as cortes de justiça, os habitantes das cidades e o comércio em geral, devessem repousar no Domingo, excetuando-se apenas os que se empenhavam em trabalhos agrícolas”, texto extraído da Enciclopédia Britânica. Os homens tornaram o Domingo, que significa “Dia do deus-Sol”, dia santo, conforme a ordem de Constantino, quando disse: “Que todos os juízes, e todos os habitantes da cidade, e todos os mercadores e artífices descansem no venerável dia do Sol”. Lembrem-se do que nos diz as escrituras: “Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens”.Amém.
“Disse mais o SENHOR a Moisés: Tu, pois, falarás aos filhos de Israel e lhes dirás: Certamente, guardareis os meus sábados; pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o SENHOR, que vos santifica. Portanto, guardareis o sábado, porque é santo para vós outros; aquele que o profanar morrerá; pois qualquer que nele fizer alguma obra será eliminado do meio do seu povo. Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do repouso solene, santo ao SENHOR; qualquer que no dia do sábado fizer alguma obra morrerá.” Êxodo 31:12-15. Deus abençoou e santificou o Sábado na criação e, ELE próprio, descansou neste dia, por isso o Sábado é a aliança entre Deus e o Seu povo. “Também lhes dei os meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles, para que soubessem que eu sou o SENHOR que os santifica” Ezequiel 20:12. “Sábado de descanso solene vos será [...] de uma tarde até a outra tarde celebrareis o vosso sábado” Levíticos 23:32.
Sim, os apóstolos guardavam o Sábado. Os profetas guardavam o Sábado. Cristo, Senhor do Sábado, também guardava o Sábado. E você? Aproveite esta oportunidade e tome logo sua decisão, antes que seja tarde...

Abrem-se os Registros Celestiais

Continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e o Ancião de Dias Se assentou; [...] assentou-se o tribunal, e se abriram os livros. Daniel 7:9, 10


Segundo as profecias bíblicas, o Juízo Investigativo começou no santuário celestial, no fim do período das 2.300 tardes e manhãs, ou seja, no dia 22 de outubro de 1844. Isso significa que o juízo está em pleno andamento agora.


O Juízo Investigativo, ou Juízo Pré-Advento, é a primeira fase do Juízo Final. A segunda fase é a de Revisão, também chamada de Juízo Milenial, porque, como o nome já diz, será efetuado durante o Milênio, pelos remidos, a fim de verificar por que alguns estão entre os salvos e outros entre os perdidos. “Em união com Cristo julgam os ímpios, comparando seus atos com o código – a Escritura Sagrada, e decidindo cada caso segundo as ações praticadas no corpo. Então é determinada a parte que os ímpios devem sofrer, segundo suas obras, e registrada em frente ao seu nome, no livro da morte” (O Grande Conflito, p. 661).


Certamente os remidos também terão acesso ao Livro da Vida, para verificar como certas pessoas estão entre os salvos.


A terceira fase, que é a do Juízo Executivo, se dará no fim do Milênio, quando os ímpios (inclusive Satanás e seus anjos) serão destruídos.


A cena do Juízo Investigativo é descrita em Daniel 7:9, 10: “Continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e o Ancião de Dias Se assentou; Sua veste era branca como a neve, e os cabelos da cabeça, como a pura lã; o Seu trono eram chamas de fogo, e suas rodas eram fogo ardente. Um rio de fogo manava e saía de diante dEle; milhares de milhares O serviam, e miríade de miríades estavam diante dEle; assentou-se o tribunal, e se abriram os livros.”


Esses versos apresentam uma cena de julgamento, com todos os elementos que o caracterizam. O “Ancião de Dias” é uma referência óbvia a Deus, o Pai, que haverá de presidir ao juízo. Os “milhares de milhares” que O serviam constituem uma referência aos anjos, que desempenham as funções de “ministros e testemunhas” (SDA Bible Commentary, v. 4, p. 828). Jesus, nessa fase, atua como nosso Advogado.


Assim como os julgamentos terrestres estão baseados nos autos de um processo, o julgamento divino também está baseado nos registros infalíveis dos livros celestiais. Todas as obras humanas, “até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más” (Ec 12:14), estão fielmente registradas ali.


Portanto, pense no que você vai fazer hoje. Um dia isto se tornará público.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Nosso Primeiro Dia no Céu!

Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Apocalipse 20:4


Nosso primeiro dia no Céu será cheio de surpresas. Ao sermos apresentados uns aos outros, durante as bodas do Cordeiro, notaremos que não se acham presentes muitas pessoas que tínhamos certeza de encontrar lá, inclusive alguns pastores.


Por outro lado, será difícil esconder o espanto ao encontrar ali pessoas que, segundo nossa avaliação, jamais deveriam estar ali. Como explicar a ausência de alguns “santos” e a presença de certos “pecadores” no mar de vidro?


Uma dessas pessoas espantadas é o profeta Isaías. Ele acaba de descobrir que o rei Manassés, filho do rei Ezequias, está entre os salvos. Manassés, como sabemos, foi um rei ímpio, que erigiu altares para praticar a idolatria, mandou sacrificar um dos seus próprios filhos, perseguiu os que eram fiéis ao verdadeiro Deus, e segundo a tradição, mandou serrar ao meio o profeta Isaías.


Isaías só poderia estar espantado com a presença de Manassés entre os salvos. Como teria acontecido isso? Não teria havido algum engano?


Estêvão, o primeiro mártir, é outro que não esconde sua admiração. Não muito longe dali, assentado à mesa, está alguém que ele já vira antes. Com um pequeno esforço de memória ele se lembra de que, pouco antes de morrer, vira um jovem segurando as capas daqueles que o apedrejavam. Sim, é ele mesmo! É Saulo, o feroz perseguidor dos cristãos! “Como será que ele chegou aqui?”, pergunta-se Estêvão.


Como Isaías e Estêvão, há outros remidos que também gostariam de esclarecer algumas dúvidas. Há uma porção de pessoas ausentes, e eles gostariam de saber por que elas não estão lá, já que frequentavam regularmente as reuniões da igreja, inclusive os cultos de quarta-feira, davam o dízimo fielmente, eram vegetarianos, faziam muitas obras de caridade e tinham aparência de piedade. O que aconteceu com tais pessoas?


Essas e outras perguntas serão respondidas durante o Milênio (juízo Milenial), quando todas as nossas dúvidas serão sanadas, ao abrirmos os livros de registro e verificarmos que Deus foi absolutamente justo em cada caso.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

"Saúde Total"

O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. 1 Tessalonicenses 5:23


Em praticamente todos os aspectos da vida, a ordem de prioridades que as pessoas dão às suas necessidades é: primeiro as físicas, depois as mentais e, por último, as espirituais.


Se analisarmos a publicidade, por exemplo, veremos que a quase totalidade dos anúncios é dirigida ao corpo: cosméticos, roupas, remédios para emagrecer, aparelhos de barbear, maioneses, bolachas, condimentos, etc. Alguns anúncios procuram vender saúde, outros vendem beleza, conforto, menor esforço, alimentação, e assim por diante. Mas são todos dirigidos à satisfação física. Tente se lembrar de algum anúncio que apele ao intelecto e veja se consegue.


Provavelmente nenhuma qualidade é tão explorada pela publicidade como a beleza física, que é sempre associada à saúde. De mil maneiras diferentes a publicidade procura demonstrar que quem é mais bonito, se veste bem, se alimenta melhor, e se diverte muito, tem mais valor em nossa sociedade. Os próprios concursos de beleza procuram provar que a mulher perfeita é aquela que tem as medidas certas para o busto, a cintura, as pernas, os ombros. Quão diferente é o conceito bíblico de mulher virtuosa!


A beleza na mulher, e o desempenho atlético no homem são mais valorizados em nossa sociedade do que as realizações científicas. A mulher que vence um concurso de beleza é mais aclamada do que aquela que pelos seus serviços mereceu um Prêmio Nobel.


Um jogador de futebol é mais valorizado do que um professor ou um cientista, e pode ganhar mais do que o Presidente da República! Porque na lista de prioridades humanas o corpo vem sempre em primeiro lugar. O ser humano prefere aclamar as aparências, as exterioridades.


Essa realidade nos faz lembrar de um versículo bíblico: “Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração” (1Sm 16:7).


Deus vê as pessoas de outra maneira. Para Deus, o mais importante é a vida espiritual, depois a intelectual e, em terceiro lugar, a física. E se cuidarmos bem das três, nessa ordem, teremos saúde total.